Adestramento e Dressage
fevereiro 6, 2016
Jogos de cavalos
fevereiro 6, 2016
Ver Tudo

Hipismo Clássico – Salto

Hipismo

É a arte de montar a cavalo e compreende todas as práticas desportivas que envolvam este animal, tais como o Salto, o Adestramento, CCE - Concurso Completo de Equitação, as Corridas, a Atrelagem, o Pólo, etc.

É também, o único esporte em que homens e mulheres competem em igualdade de condições, em uma mesma prova.

Breve Histórico do Hipismo

Historiadores contam que foram os povos asiáticos, entre os períodos de 3,5 a 4 mil anos antes de Cristo, os primeiros a terem contato e fazer o uso regular do cavalo, tanto para a locomoção como para serviços de plantio nos campos e para o uso da caça.


Com a evolução das sociedades, o cavalo começou a passar por processos de adestramento e tornou-se peça fundamental para garantir o bom trabalho do homem. Além disso, os cavalos começaram a ser usados em forças militares para conquistas de novos territórios e guerras.


Torneios começaram a ser realizados com a utilização de cavalos, com isso, estes animais entravam na cena esportiva e garantiram seu lugar neste meio. Nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, por volta do ano de 648 a.C., provas com cavalos eram realizadas, como a corrida de bigas, em que os cavalos puxavam uma pequena charrete.

Um historiador, filósofo, e militar grego chamado, Xenofonte, escreveu tratados sobre equitação que são tidos como um marco da história. Apaixonado por qualquer tipo de atividade que envolvia cavalos, foi visto como um visionário para aquela época ao deixar escrito sobre a arte da montaria, a doma de cavalos e a vocação exigida para o cavaleiro.

Com o fim dos Jogos da Antiguidade, por motivos políticos promovidos por Teodósio I, quando decidiu acabar com este evento por achar que se tratava de uma festa pagã, a equitação, do contrário do que se possa imaginar, não perdeu toda sua força. Como esporte é claro, deixou de ser menos praticado, mas tanto os gregos como seus povos vizinhos, adotaram o cavalo para práticas militares.

Do século XV ao início do século XVIII, os europeus começaram a se interessar pelo hipismo como uma arte, utilizando-se principalmente em provas de saltos. Os britânicos, que até então, naquela época, utilizavam os cavalos para a caça, em um período de baixa para esta prática, se reuniram e organizavam para a prática de saltos, o que segundo historiadores, dão os primeiros indícios do que mais tarde se tornaria hipismo. Assim como os britânicos, tanto os militares alemães quanto os italianos também tomaram gosto da modalidade e, com isso, não demorou muito para que o esporte caísse nas graças dos apaixonados por cavalos e pelo esporte.


Hipismo Clássico - Salto

Parceria, arte, tradição e sintonia entre homem e animal são algumas das expressões que ajudam a descrever o hipismo!

É um esporte emocionante, onde o conjunto realiza percursos em pista de areia ou grama, transpondo obstáculos de diferentes dificuldades.


Nos saltos, o cavaleiro e seu cavalo devem transpor, em sua totalidade, de 10 a 15 obstáculos ordenados em uma pista que mede entre 700 e 900 metros. A altura dos obstáculos vai de 0,40m a 1,65m, dependendo da categoria. Para a chamada Equitação Fundamental, a altura dos obstáculos vai de 0,40m a 0,90m. Neste caso, o vencedor é aquele que termina a prova o mais próximo possível do chamado tempo ideal. O tempo ideal foi implementado recentemente com a intenção de diminuir o número de acidentes nas pistas de salto. Como as provas da fundamental não são tão altas, os cavaleiros tendiam a correr muito . Sendo a maioria iniciantes, acabavam-se envolvendo em acidentes.

Para se determinar este tempo usa-se a extensão do percurso em metros dividido pela velocidade da prova e multiplica por 0,95. Para a pista de 1,0m o cavaleiro pode escolher se prefere saltar no tempo ideal ou no cronômetro. Nas demais alturas, vence quem acabar a prova mais rápido e com menos faltas.

Tipos de penalidades do hipismo

Queda do cavalo = Eliminação

Queda do cavaleiro = -8 pontos

Obstáculo derrubado = -4 pontos

Refugo = -4 pontos (na primeira vez)

Segundo Refugo = Eliminação

Animal tocar a água do fosso = -4 pontos

Ultrapassar tempo limite da prova = -1 ponto por segundo a mais


Entidades Equestres

Internacionais

Fundada 1921 em Lausanne, na Suíça, pela França, Estados Unidos, Suécia, Japão, Bélgica, Dinamarca, Noruega e Itália, a FEI (Fédération Equestre Internationale) regula os eventos internacionais de Hipismo, em parceria com as 133 federações nacionais, sem preconceitos raciais, religiosos ou relacionados a conflitos internos.

É essa mesma instituição que estabelece os regulamentos e aprova os programas de campeonatos, e, ainda, buscando assegurar a integridade dos animais, a FEI desenvolveu um código de conduta baseado tanto no seu bem-estar, quanto no "fair play" que deve ser adotado pelos cavaleiros.

No Brasil

A entidade reguladora dos esportes equestres no Brasil é a Confederação Brasileira de Hipismo (CBH), que foi oficialmente fundada em 19 de dezembro de 1941, após esforços das Federação Paulista de Hipismo (FPH), Hípica Metropolitana (Rio de Janeiro) e Hípica Fluminense (Niterói).

A CBH é responsável pela regulamentação, coordenação, promoção e fomento das oito modalidades praticadas no Brasil, além da formação das delegações que representam o país nas competições internacionais, realização de campeonatos, seletivas e cursos, pela chancela de eventos promovidos por federações estaduais, pela captação e administração de verbas junto a órgãos governamentais e COB – Comitê Olímpico Brasileiro.


Conquistas recentes do Brasil no Hipismo

O Brasil terminou entre os cinco melhores do mundo na modalidade Salto dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e levou três representantes para a final individual.

Doda Miranda com Cornetto K foi o melhor classificado ao final, na 9ª colocação empatado com mais seis conjuntos que obtiveram 4 pontos perdidos.

foto : Doda Miranda e Cornetto K

Pedro Veniss e Quabri de L’Isle somaram cinco pontos e terminaram na 16ª posição ao lado de outros dois conjuntos.

Eduardo Menezes, que apresentou Quintol, ficou com a 28ª classificação e Stephan Barcha com Landpeter do Feroleto saíram da disputa na primeira rodada das equipes.

Nas Olimpíadas de Atenas (2004) o cavaleiro brasileiro Rodrigo Pessoa ganhou a medalha de ouro.

Nas Copas do Mundo de 1998, 1999 e 2000, Rodrigo Pessoa ganhou o título mundial na prova de saltos.


Principais competições

Copa do Mundo FEI

A principal competição mundial de hipismo são os Jogos Equestres Mundiais. São organizados desde 1990 pela Federação Equestre Internacional. É dividido em séries, criadas em 1978, contêm hoje 13 confederações de todos os continentes. Os melhores cavaleiros de 116 competições preliminares da Copa do Mundo irão para a final, que muda de local a cada edição.


Jogos Pan-Americanos

A principal competição do Continente tem provas de hipismo desde 1951 e reúne os melhores conjuntos de seus países. Trata-se de uma disputa de nações, na qual a maior premiação é uma medalha de ouro e não a costumeira premiação em dinheiro. Funciona, muitas vezes, como uma prévia para os Jogos Olímpicos e, por isso, conta com várias feras do circuito. Em 2015 a disputa foi em Toronto, no Canadá.

A equipe brasileira de Hipismo conquistou três medalhas entre as disputas por equipe e individual. O time de Adestramento ficou com a medalha de bronze, enquanto o de CCE garantiu a prata e no individual o bronze com o cavaleiro Ruy Fonseca.


Jogos Olímpicos

O maior evento do esporte no mundo teve provas de hipismo na primeira edição, em 1900, esteve ausente nas duas seguintes, voltando em 1912, apenas para militares. Somente em 1952 foram a admitidos civis e mulheres. Atualmente, as modalidades olímpicas são salto, adestramento, Conjunto Completo de Equitação (CCE) e Para-olimpico. No salto, os melhores do ranking nacional disputam a medalha de ouro, individual e por equipes.


GCT – Global Champion Tour

Criado pelo cavaleiro olímpico holandês Jan Tops, o GCT é disputado em três continentes, nove países e 10 cidades pelos melhores cavaleiros e amazonas do planeta.

Os melhores conjuntos do circuito internacional disputam as provas, todas com elevado nível técnico e premiação no mesmo nível, que supera os 7 milhões de Euros.

Edwina Tops Alexander montando Lintea Tequila faturou $500,000 no Longines Global Champions Tour CSI5*, Grand Prix realizado em Miami Beach em 2015.

Principais Potências

Os países que mais se destacam atualmente no hipismo mundial são: Holanda, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e Bélgica.

foto : Deusser, Daniel - Alemanha

fonte: Cavalo Atleta Federação Equestre Internacional (FEI) - http://www.fei.org/ Confederação Brasileira de Hipismo - http://www.cbh-hipismo.com.br/ Federação Paulista de Hipismo - http://www.fph.com.br/ Comitê Olímpico Brasileiro - https://www.cob.org.br/


Os comentários estão encerrados.