Como determinar as necessidades nutricionais do seu cavalo?

10 sinais de que a sela não está “servindo” em seu cavalo.
setembro 11, 2018
Ver Tudo

Como determinar as necessidades nutricionais do seu cavalo?

Nutrição do Cavalo

Saiba como determinar as necessidades nutricionais do seu cavalo!
O Primeiro hábito a ser adquirido PESAR seu cavalo! Usando uma fita de peso ou balanças para eqüinos, ANOTE as medidas, a cada 2 semanas e TRAÇE as mudanças em um gráfico.

Calcular as necessidades diárias totais

( forragem e concentrado) .

O requisito é entre 1,5 a 3 % do seu peso corporal , com uma média de 2,5% .

Use a seguinte equação para determinar o quanto você deve alimentar o seu cavalo a cada dia :

peso corporal / 100x2.5 = Total diário de ração

Determinar que tipo de ganho de peso que você quer para o seu cavalo .

Você quer manter seu cavalo no nível que já está no ( dieta de manutenção )?
Você quer reduzir o peso do cavalo por causa de problemas de saúde ( dieta de redução )?
Ou, você quer aumentar o peso corporal do seu cavalo devido a uma doença passada ou porque o seu cavalo está abaixo do peso?

A melhor estratégia para usar ao desenvolver um plano de alimentação para o seu cavalo é alimentar com base no peso desejado , ao invés do peso atual. por exemplo:

Um cavalo está abaixo do peso e pesa 300 kg . Se o peso ideal do cavalo é 400 kg , não alimente 2,5% dos 300 kg . Alimente 2,5% dos 400 kg .

Use a mesma estratégia para um cavalo com excesso de peso . Alimentação com base no peso desejado, e não corrente , ou seja, você vai realmente estar alimentando a menos que a quantidade acima do peso

.

Controlar o nível de energia na forrageira , alimentando diferentes tipos ou uma mistura de tipos,já que forragens diferentes têm quantidades diferentes de Energia Digestível.

Para pastoreio, a época do ano também afeta o ED. O pasto da primavera tem um nível elevado, enquanto pastagens de inverno tendem a ser mais pobres.

Para o verde cortado, a época do corte afeta a ED. A grama cortada mais nova tem ED maior do que a da grama cortada tarde.

  • Escolha um tipo de energia de acordo com a atividade de seu cavalo./li>
  • Ajuste a rotina de alimentação do seu cavalo e mantenha um padrão.
  • Tenha cuidado redobrado com os intervalos entre alimentação e treinos.
  • Na eventual troca de alimento, faça de maneira gradual a fim de evitar problemas.

Escolha um tipo de energia de acordo com seu cavalo.

Alguns cavalos são mais quentes e animados, devemos alimenta-los com energia de liberação lenta presente nas fibras e óleos.

Outros cavalos são mais preguiçosos e não têm tanto " brilho ", estes devem ser alimentados com energia de liberação rápida como o amido encontrado em cereais / grãos como aveia e cevada. O amido tem sido relacionado com um certo número de problemas de saúde e deve ser restringida para alguns cavalos .

Se você não tem certeza de quanto alimento você deve estar fornecendo, converse com o veterinário do seu cavalo.

Alguns fabricantes de alimentos também têm linhas de ajuda que você pode usar para obter conselhos de alimentação para o seu cavalo .

Podemos dividir o manejo alimentar dos cavalos em 5 categorias básicas:

1. Manutenção:
Onde as necessidades básicas podem ser supridas simplesmente com volumoso, sal mineral e água. Porém, se formos alimentar nossos animais com feno, por exemplo, o custo tende a ser mais barato se suplementarmos com uma ração de manutenção, com cerca de 10 a 12% de proteína bruta e 2 a 3 % de extrato etéreo. As quantidades não devem ultrapassar 1% do peso vivo do animal, sendo suficiente, muitas vezes, 0,5 a 0,8%. Isto é, para um cavalo de 400 kg de peso, não ultrapassar 4 kg diárias, sendo suficiente 2 a 3 kg, sempre divididos em 2 a 3 refeições.
2. Éguas em Reprodução:
Nesta fase, temos 2 sub-fases: a.    Início da Gestação – 1º ao 8º mês: necessidades semelhantes às de manutenção, onde uma ração com 10 a 12% de proteína bruta e 2 a 3 % de extrato etéreo podem ser suficientes. b.    Terço Final de Gestação (8º ao 11º mês) e Lactação: Necessidades muito elevadas em relação ao início. A ração já deve ter cerca de 15% de proteína bruta com 3 a 5% de extrato etéreo. A quantidade já deve ser no mínimo 0,9% do peso vivo, podendo chegar a 1,2% no início da lactação. Isto, para uma égua de 500 kg de peso vivo, um mínimo de 4,5 kg de ração e um máximo de 6 kg diários, sempre divididos em 2 a 3 refeições.
3. Potros em Crescimento:
Dividido em 3 fases: a.    Potro em Lactação: O potro começa a ingerir alimento sólido ainda ao pé da mãe, logo no primeiro mês de vida. Entretanto, ele se alimenta realmente só de leite até o 3º mês de idade. A partir desta fase, ele começa a se alimentar de volumoso e ração, aliado ao leite. Ainda ao pé da mãe, a alimentação sólida é apenas complementar ao leite, sendo suficiente 1% do peso vivo por dia (1 kg de ração para cada 100 kg de peso vivo), dividido em 2 refeições. b.    Após o desmame até os 18 meses de idade: Deve-se utilizar uma ração apropriada para potros, com 17 a 19% de proteína bruta e 3 a 5% de extrato etéreo, nessa mesma proporção, 1% do peso vivo em ração, dividido em 2 refeições. c.    Dos 18 aos 36 meses, deve-se oferecer uma ração com 15% de proteína bruta e 3 a 5% de extrato etéreo, mantendo-se a mesma proporção de 1% do peso vivo em ração, dividido em 2 refeições.
4. Garanhões:
Dividida em 2 fases: a.    Garanhões em Manutenção: São as mesmas necessidades de um outro animal em manutenção, onde as necessidades básicas podem ser supridas simplesmente com volumoso, sal mineral e água. Caso ofereça uma ração, esta pode ser com 10 a 12% de proteína bruta e 2 a 3% de extrato etéreo. A quantidade não deve ultrapassar 1% do peso vivo do animal, sendo suficiente, muitas vezes, 0,5 a 0,8%. b.    Garanhão em Monta: Aquias necessidades são bem superiores, especialmente no que diz respeito à energia da ração. Pode-se utilizar uma ração com 10 a 12% de proteína bruta e 3 a 6% de extrato etéreo. As quantidades variam de 0,8 a 1,2% do peso vivo em ração, dependendo da intensidade da monta. Isto é, para um garanhão de 500 kg, em monta leve, podem ser suficientes 4 kg de ração, podendo chegar a 6 kg em monta intensa.
5. Cavalos de Esporte:
Nesta categoria as necessidades são essencialmente energéticas. Proteína de qualidade, mas não em quantidade. A ração pode ter de 11 a 12% de proteína bruta e o extrato etéreo pode chegar a 10%. Quanto maior o extrato etéreo, menor deverá ser a quantidade de ração oferecida (maior energia por kg de produto). As quantidades variam conforme a qualidade da ração e a intensidade do trabalho, de leve e muito intenso. Podem ser de 0,8 a 1,5% do peso vivo em ração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *